“Vivemos em um mundo esquisito, onde ódio e cinismo são considerados inteligentes e se você fala de sentimentos parece um idiota”, Guillermo del Toro, cineasta, ao El País