Cinema

O que esperar do cinema pós-pandêmico, por Daniel Bydlowski

Por Daniel Bydlowski, cineasta ( * )

Alguns anos atrás, filmes com realidades distópicas e mundos destruídos por epidemias eram roteiros que chamavam a atenção. Mas, e agora, que o inimaginável se tornou real, como será o cinema pós-pandêmico? É evidente que o Covid-19 alterou para sempre a forma como a sétima arte é produzida e entregue.

O avanço das plataformas de streaming deu um passo gigantesco em cima das clássicas salas de cinema, uma vez que os espectadores parecem ter abraçado de vez a versão pandêmica de produção audiovisual. Um exemplo é o longa Host (foto no destaque).

Gravado por videochamada, o filme de terror, produzido por Rob Savage, tem 57 minutos e surgiu justamente por conta do tédio do confinamento. Savage convidou seus amigos para uma reunião online para checar um barulho no sótão de sua casa, mas tudo se tratava de uma pegadinha que, além de assustar a todos, viralizou no Twitter.

A questão é que o isolamento definitivamente alterou tudo, desde o comportamento do consumidor até os modelos tradicionais de negócios. Antes os filmes eram disponibilizados em sequências que rodavam a engrenagem de incentivo e lucro da indústria, das telonas, à exclusividade de plataformas até canais abertos.

Obviamente, uma grande porcentagem deixou de faturar, já que apenas no Brasil em 2020, os números apontam que 99% da população consumiu conteúdo em vídeo, em telas e dispositivos como TV, redes sociais, plataformas de streaming, lives e até videochamadas, segundo estudo da Kantar Ibope Media.

O streaming pago apresentou um crescimento de 58%. A grande pergunta é: o que esperar do cinema pós-pandêmico? Grandes estúdios como Warner Bros e Disney têm aproveitado a oportunidade para testar produções originais com lançamentos digitais.

O momento pode se tornar um caminho de reinvenção para o cinema. Novos nomes podem surgir com técnicas bastante avançadas que já são utilizadas há muito tempo, mas não ganhavam espaço na indústria cinematográfica por diversos motivos.

Como cineasta, eu trabalho com realidade virtual, parte do entretenimento que também tem conquistado seu espaço desde o isolamento social, e é possível apresentar a mesma imersão do cinema em telas de aparelhos celulares, por exemplo. Em NanoEden, meu primeiro projeto de longa em 3D, desenvolvi um novo estilo de roteiro que não é dividido por cenas, mas por diferentes quadrantes da esfera de 360 graus.

Focar neste novo meio de comunicação como uso narrativo para contar histórias ressalta que a pandemia também se tornou uma súplica para o valor acima do lucro. Produções independentes ou, como no caso de Host, com investimentos menores, não significam anular blockbuster da Marvel, por exemplo.

Estamos falando de entregas múltiplas. Se o público enxerga qualidade, a indústria não precisará se preocupar com lucro. O streaming é a prova disso, com ou sem pandemia, as plataformas já eram um sucesso.

( * ) Daniel Bydlowski é mestre pela University of Southern California (USC), cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, EUA. É diretor dos curtas Bullies (premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil e no Comic-Con como melhor filme fantasia e prêmio especial do júri) e Ticket for Success (selecionado no Animamundi e premiado como melhor curta internacional no Moondance International Film Festival).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: