Planeta Flix

14 filmes franceses para assistir na Amazon Prime Vídeo

O catálogo da Amazon Prime Vídeo parece um daqueles baús cheios de guardados, exige paciência para separar o que tem valor e o que é quinquilharia. Dois problemas contribuem para isso: o sistema de busca não ajuda e muitos filmes que estão lá são bons mas só estão disponíveis dublados.

Mas como a gente adora catar coisas boas para fazer listinhas aqui no Boníssimo, criamos essa de 14 filmes franceses (nove comédias e cinco dramas) que podem ser vistos na plataforma da Amazon. Todos com opção de som em francês e legendas em português, ainda bem.

COMÉDIAS

Felicidade (2020), de Bruno Merle
O filme mais recente da lista e o segundo dirigido por Bruno Merle, que tem um currículo maior como roteirsta de séries de TV. Felicidade mostra o universo caótico da família de Tim e Chloé, uma família feliz mas um tanto estranha para os padrões convencionais. Busque por Felicitá.

As Mulheres do 6º Andar (2012), de Philippe Le Guay
É um delícia esta comédia ambientada nos anos 1960, sobre um pai de família francês que se encanta com as animadas espanholas que moram no sexto andar de seu prédio, todas empregadas nos apartamentos do edifício. Com Fabrice Luchini, Sandrine Kiberlain e Carmem Maura. Se não achar pelo título, busque pelo nome do diretor, Philippe Le Guay.

20 Ans D’Écart (2013), de David Moreau
Este filme passou no Brasl com o título de 20 Anos + Jovem, mas no Prime está assim, no original. É sobre uma editora de moda que, após ver a repercussão de uma foto em que ela aparece com um cara mais jovem, resolve capitalizar o romance. Mas ele percebe que ela quer se aproveitar e cai fora. Comédia romântica despretensiosa.

Amor ao Primeiro Filho (2015), de Anne Giafferi
Os simpáticos Isabelle Carré e Patrick Bruel fazem o par romântico nesta comédia que marca a estreia da diretora Anne Giafferi. Ele é um arquiteto que só quer saber de se divertir. Ela é a mulher que aparece um dia dizendo que o filho dele engravidou a filha dela. E ele nem sequer sabia que tinha filho…

Paris Amor Cinema (2017), de Arnaud Viard
Cineasta de um único filme, Arnaud encontra dificuldades para fazer o segundo, ao mesmo tempo em que enfrenta uma separação, a doença da mãe e problemas financeiros. Poderia ser um drama, mas Arnaud Viard, também intérprete do protagonista, conduz os perrengues do personagem para um tom de comédia leve e terna. O resultado é um filme, no mínimo, agradável.

Nem Parece Minha Irmã (2004), de Alexandra Leclère
Isabelle Huppert e Catherine Frot (foto) protagonizam o filme de estreia de Alexandra Leclère, uma comédia dramática sobre as tensões entre duas irmãs muito diferentes entre si — uma, simples e interiorana, a outra, moderna e urbana –. quando uma delas precisa ir a Paris e elas são obrigadas a conviver por três dias.

Um Filho Que Caiu do Céu (2017), de Vincent Lobelle e Sébastien Thiery
Mais uma história sobre filho que aparece do nada. Nesta comédia quem é surpreendido é o casal maduro e de classe média interpretado por Christian Clavier e Catherine Frot, que um dia recebe a visita de um rapaz dizendo que é filho deles. E, além disso, ainda traz a namorada… grávida.

Que Mal eu Fiz a Deus (2017), de Philippe de Chauveron
Novamente Christian Clavier. Aqui ele é um pai católico que tem o desgosto de ver três filhas se casarem com homens de diferentes religiões. Para azar da filha caçula, ainda solteira, em quem ele aposta todas as fichas.

Minha Lua de Mel Polonesa (2018), de Élise Otzenberger
Élise Otzenberger tem considerável carreira como atriz. Este é seu primeiro e até agora único filme como diretora. Uma comédia romântica onde ela aproveita para falar sobre a importância da preservação da memória. Casal parisiense de origem judaica vai à Polônia pela primeira vez para participar de cerimônia de aniversário da destruição da cidade em que vivia o avô do marido.

DRAMAS

O Amante Duplo (2018, foto no destaque), Dentro de Casa (2013) e Jovem e Bela (2013), todos de François Ozon
Se tem a assinatura de François Ozon, assista. Você vai se deparar, no mínimo, com um filme instigante. Afeito a temas controversos, o diretor não faz diferente nestes três filmes. Dentro de Casa tem mais uma ótima atuação do ícone Fabrice Luchini. Jovem e Bela também pode ser visto na Netflix.

O Filho de Jean (2016), de Philippe Lioret
Lioret (conhecido por aqui por filmes como Bem-vindo e Não se Preocupe, Estou Bem) desta vez conta a história de um rapaz de 30 anos que recebe a notícia de que seu pai morreu. Detalhe: ele não sabia até então quem era o pai, e tampouco que tinha dois irmãos.

Um Belo Domingo (2013), de Nicole Garcia
Ao perceber que um dos alunos foi esquecido pelo pai, um professor resolve levar o menino em casa e acaba se envolvendo com a mãe dele. Mas a relação é atrapalhada pelas dificuldades financeiras dela. Bem conhecida pelos amantes do cinema francês, Nicole Garcia dirigiu filmes como O Filho Preferido (1994) e Um Instante de Amor (2016).

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: