Planeta Flix

Tatuagem reforça lista de bons filmes nacionais na Netflix

O filme Tatuagem, de Hilton Lacerda, estreia na Netflix, reforçando a pequena coleção de bons filmes brasileiros disponíveis na plataforma de streaming — veja lista abaixo. Realizado em 2013, a produção pernambucana parecia adiantar-se à onda moralista que cresceu com o avanço da extrema direita desde aquele ano.

Ambientado em Recife dos 1970, Tatuagem gira em torno do Chão de Estrelas, espécie de boate–teatro onde se apresenta a trupe liderada por Clécio (Irandhir Santos). Num período em que o Brasil vive o regime ditatorial dos militares, o grupo exercita ao extremo a liberdade de amar e ser o que se é.

Os integrantes do Chão de Estrelas vivem o amor livre em um ambiente anárquico, completamente desprovido de pudores, mas regido pelo afeto sem discriminação. Hilton Lacerda também não exibe pudores ao contar a história e faz um filme que é uma pedrada no moralismo de nossa década, assim como o Chão de Estrelas seria nos anos 1970.

Irandhir Santos demonstra mais uma vez seu já reconhecido talento, mas quem chama a atenção também é Jesuíta Barbosa, vivendo o difícil papel de Fininha, um jovem soldado dividido entre a corporação e a convivência com o grupo de Clécio, com quem tem uma relação amorosa e sexual intensa.

A estreia de Tatuagem na Netflix chama a atenção para outros filmes nacionais disponíveis na plataforma que não devem ser ignorados. Abaixo segue uma listinha de títulos recomendados pelo Boníssimo para quem quer conhecer o cinema nacional feito no século 21:

Com Irandhir Santos

  • O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho
  • Permanência (2014), de Leonardo Lacca
  • Aquarius (2016, foto acima), de Kleber Mendonça Filho

Também sobre liberdade

  • Paraíso Perdido (2018), de Monigue Gardenberg

Retratos críticos do Brasil

  • Branco Sai, Preto Fica (2014), de Adirley Queirós
  • Casa Grande (2014, foto abaixo), de Felipe Barbosa
  • Campo Grande (2015), de Sandra Kogut

Já clássicos

  • Cinema, Aspirina e Urubus (2005), de Marcelo Gomes
  • Como Nossos Pais (2017), Laís Bodansky

Suspense

  • Reflexões de um Liquidifcador (2010), de André Klotzel

Dramas pessoais

  • Califórnia (2015), de Marina Person
  • Sem Seu Sangue (2019), de Alice Furtado
  • Fala Comigo (2016), de Felipe Scholl
  • Temporada (2018), de André Novais

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: