Livros Teatro

Livro analisa o romance-em-cena de Aderbal Freire-Filho

Ofertas cuponsDesde 1972, quando dirigiu a peça Cordão Umbilical, de Mário Prata, dois anos depois de se fixar no Rio de Janeiro, o autor, diretor teatral e ator cearense Aderbal Freire-Filho (que se recupera de AVC em hospital no Rio), acumula no currículo cerca de 100 espetáculos. Entre eles, três que ficaram conhecidos como romance-em-cena.

Isso porque A Mulher Carioca aos 22 Anos (1990), O que Diz Molero (2003) e O Púcaro Búlgaro (2006) foram concebidos a partir de romances — respectivamente, do mineiro João de Minas (1896-1984), do português Dinis Machado (1930-2008) e do também mineiro Campos de Carvalho (1916-1998).

Com uma estética que foi se moldando aos poucos e ganhando definições que amadureceram com o tempo, esses espetáculos trouxeram para a linguagem teatral brasileira uma contribuição que pode ser mais bem compreendida a partir da leitura do livro O Romance-em-cena de Aderbal Freire-Filho.

Escrito pela atriz e jornalista brasiliense Renata Caldas, o livro, que ela define como ensaio-reportagem, investiga o processo de criação e a trajetória dos três espetáculos, contextualizando o romance-em-cena não só dentro da obra do próprio Aderbal, mas também dentro da evolução do teatro brasileiro.

O Romance-em-cena de Aderbal Freire-Filho foi lançado no início deste ano com avais inquestionáveis da pesquisadora e professora de história do teatro brasileiro Tânia Brandão, que assina o prefácio, e dos atores Camilla Amado e Paulo Betti, autores do posfácio e da orelha, respectivamente.

Renata Caldas e Aderbal Freire-Filho
O diretor e a autora, no lançamento no Rio (Foto: Bruna Leal)

Impacto
O interesse de Renata Caldas pelo teatro do diretor cearense-carioca começou em 2004, quando ela assistiu pela primeira vez a um de seus trabalhos, O que Diz Molero, no Festival de Teatro de Curitiba — ao qual compareceu como repórter e crítica teatral do Correio Braziliense. 

“Fiquei impactada com o poder da linguagem de Aderbal, os atores se desdobrando em mil personagens, narrando o passado e vivendo o presente ao mesmo tempo. Tecnicamente, não assimilei os códigos de imediato, mas percebia que ali tinha algo além do recurso de distanciamento de Brecht”, conta.

“Não é todo dia que você se depara com uma linguagem nova. Fiquei com isso na cabeça, de como era possível montar um texto literário de uma forma única, lúdica e bem teatral”, lembra Renata, formada em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (UnB) e em Jornalismo pelo Uniceub.

Ela reencontraria Aderbal Freire-Filho em cena em 2006. “Depois de assistir a O Púcaro Búlgaro, pude confirmar o potencial da linguagem do romance-em-cena e percebi que merecia ser amplamente difundida”. Por meio do ator Orã Figueiredo, Renata conseguiu contatar Aderbal, que lhe deu carta branca para a pesquisa.

O Romance-em-cena de Aderbal Freire-FilhoMissão
Recortes de jornal e entrevistas com o diretor a ajudaram a entender os meandros da linguagem. Como atriz e jornalista, ela sabia que poderia descrever os passos daquela poética teatral e desvendá-la para quem quisesse conhecê-la.

“O que me incentivou também foi ver alguns espetáculos aclamados com uma técnica semelhante ao romance-em-cena, observando poucas pessoas associando à criação de Aderbal. Achava que merecia o devido crédito, me senti nessa missão”.

Para Renata Caldas, o romance-em-cena é um estilo que pode ser aplicado também a contos, crônicas, cartas, biografias, etc, como exercício e como fim, como peça pronta. “O feito de Aderbal é grandioso, de sintetizar o teatro épico com o dramático. A técnica vale para o mundo inteiro e foi elaborada por um cidadão brasileiro, um cearense que ocupava com seu grupo um teatro abandonado em Copacabana”.

Na noite de autógrafos, em janeiro passado no restaurante La Fiorentina, no Leme, Rio de Janeiro, Aderbal Freire-Filho e a mulher, Marieta Severo, estavam lá. “Só de ver tantos artistas reunidos no lançamento, Aderbal cercado de toda uma geração por ele formada, senti como esse registro valeu a pena”.

O Romance-em-cena de Aderbal Freire-Filho pode ser adquirido por R$ 45 no site da Editora Multifoco. Veja também mais informações no Blog do Romance-em-cena.

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: