A alma latino-americana em mostra na CAL

“O que é ser latino-americano?” É o que se propõe a responder, por meio da arte, a exposição Relatos Subvertidos, aberta ao público a partir de quinta-feira (16/8), na Casa da Cultura da América Latina (CAL), no Setor Comercial Sul.

Para isso, a mostra coloca lado a lado obras de arte modernista, contemporânea, popular e indígena produzida no Brasil e em outros seis países da  América Latina: Colômbia, Cuba, Equador, México, Paraguai e Uruguai.

Todas as obras pertencem ao acervo próprio da CAL, mas algumas nunca foram expostas ao público anteriormente. É o caso de Flower Power (1968), serigrafia política feita pelo cartunista Jaguar em plena ditadura militar, e da xilogravura O Filho do Sol Lutando Contra os Homens Nascidos na Terra dos Homens do Sol (1970), de José Altino.

Na mostra também estão incluídas obras de artistas como Tarsila do Amaral, Oscar Niemeyer, Athos Bulcão, Paulo Bruscky, Lívio Abramo, Cícero Dias, Stella Maris, Bia Medeiros, Helena Lopes e Raquel Nava – esta última concorre neste ano ao Prêmio Pipa, mais importante premiação de arte contemporânea do país.

De acordo com os curadores Ana Paula Barbosa, Carla Cruz e Sormani Vasconcelos, alunos de graduação em Teoria, Crítica e História da Arte da UnB, a mostra não se limita à memória e à conservação. “É uma pesquisa que visa atender amplo espectro de acontecimentos relacionados à formação, aquisição, eventos culturais, políticos e econômicos do continente”.

_____________________________________

Relatos Subvertidos
De 16/8 a 25/9, de segunda a sexta, das 10h às 18h30, na Casa da Cultura da América Latina (CAL), no Setor Comercial Sul, Quadra 4, Edifício Anápolis. Entrada franca.

 

Anúncios