Três Vezes Te Enganei: paixão, traição e ciúme

Três Vezes te Enganei é o mais novo espetáculo realizado pelo diretor Fernando Guimarães com seus alunos da Faculdade Dulcina. Mais uma vez, o encenador retoma a obra de Samuel Beckett. Play, do autor irlandês, é o ponto de partida para a peça.

No texto de Beckett, marido, esposa e amante apresentam, cada um, uma versão do caso amoroso que os envolve. Guimarães pega esse mote para tratar de paixão, traição e ciúme, valendo-se também de casos reais e de textos de outros autores.

Nelson Rodrigues (1912-1980) e Marguerite Yourcenar (1903-1987) são alguns deles. Na boca dos personagens surgem, por exemplo, frases como “o amor é um castigo, somos punidos por não termos conseguido permanecer sós”, escrita por Yourcenar em Fogos.

SONY DSC

“Sempre busco criar um diálogo que opere a partir da natureza humana, da alma das coisas”, conta Guimarães, que traz para a encenação também referências de Madame Bovary, o romance clássico de Gustave Flaubert (1821-1880).

Dessa colcha de retalhos aparecem situações que envolvem traição consentida, ciúme doentio, uma esposa adúltera que busca a redenção e sensações, reais ou não, provocados pelo sentimento amoroso.

Três Vezes te Enganei estreia dia 14 de julho e fica em cartaz no Teatro Dulcina até dia 20, com sessões de sábado a sexta, às 20h, com entrada franca — ingressos distribuídos com uma hora de antecedência no próprio local. Classificação indicativa 14 anos.

Anúncios