Slow Film lança vaquinha para realizar 9ª edição

O Slow Filme – Festival Internacional de Cinema, Alimentação e Cultura, anuncia sua nona edição, em Pirenópolis, na segunda quinzena de setembro. Já tem até alguns filmes selecionados. No entanto, mais uma vez, a realização do evento vai depender do público.

Esta semana, a Objeto Sim, realizadora da mostra, lançou no site Vakinha uma campanha para financiamento coletivo. Serão necessários R$ 30 mil para custear a edição, de quatro dias, mais uma vez no Cine Pireneus.

Não vai ser difícil alcançar a meta, se todo mundo que gosta de cinema e de comida colaborar. O Slow Filme é isso, um festival de cinema sobre a produção e a apreciação do alimento. Longas e curtas, de ficção ou documentário.

As exibições são alternadas com bate-papos com cineastas, degustações ligadas ao temas das produções selecionadas. Este ano, o festival vai investir no diálogo entre cozinha e gênero, já que mulheres têm ganhado espaço entre os grandes nomes da gastronomia.

Entre os filmes prometidos, está o libanês-americano Soufra (foto no alto), sobre mulher que sempre viveu num campo de refugiados situado ao sul de Beirute, no Líbano, e lançou um negócio bem sucedido de food trucks com comida tradicional.

Também devem vir o documentário francês A la Recherche des Femmes Chefs (À Procura de Chefs Mulheres) e o português-japonês Ama-San, e os italinso Cucini, de Ciro Fabbricino, e E Il Cibo Va, de Mercedes Cordova.

Anúncios