A face real do Professor de La Casa de Papel

A produção de uma terceira temporada de La Casa de Papel — confirmada esta semana pela Netflix — deve estender por mais algum tempo a felicidade que o ator Alvaro Morte está sentindo desde que a série virou febre mundial.

Uma felicidade de estreante. “Sinto-me vivendo um sonho”, disse ele em entrevista ao blog El Rincón del Cine. Só que o ator não é nenhum iniciante, afinal, são 16 anos desde a primeira aparição dele na tevê, na telenovela Hospital General.

Planeta Flix 2

Mas para quem era conhecido até hoje em seu país como ator de novelas e séries de tevê, sobretudo, é como se fosse um novo começo. La Casa de Papel é a série não falada em inglês mais vista de todos os tempos na Netflix. Isso com certeza trará dividendos para o elenco.

Alvaro Morte

Alvaro já colhe os seus. Atualmente, está rodando um longa-metragem, o thriller Mirage, dirigido por Oriol Paulo (Um Contratempo), com Chino Dárin (O Silêncio do Céu) e Adriana Ugarte (O Tempo Entre Costuras) no elenco.

Até então, no cinema, só tinha feito um papel pequeno em Lola, La Pelicula (2007). Mirage é um novo passo na carreira que começou como um bombeiro sem nome em Hospital General, ainda como Alvaro Antonio Garcia, seu nome de batismo.

O Alvaro Morte só foi adotado a partir de 2009, quando fazia  seu quinto trabalho na tevê — dessa vez um personagem com nome, Pablo, na série ¡A ver si llego!. Daí foram mais 10 produções televisivas até chegar a La Casa de Papel.

Alvaro Morte La Casa de Papel

A carreira de Alvaro Morte, no entanto, não se resume à tevê. Além de ter feito vários curtas-metragens, ele tem uma companhia de teatro, a 300 Pistolas, que encena atualmente uma versão de El Lazarillo de Tormes.

Ele é diretor e fundador da companhia em parceria com a mulher, a figurinista Blanca Clemente, com quem tem dois filhos, os gêmeos León e Julieta. Além disso, Alvaro já deu aulas de interpretação, inclusive numa temporada na Finlândia.

E o que faz no tempo livre? Gosta de esportes e de culinária. Adora fins de semana em Londres, de ir ao cinema (seu filme preferido é Um Americano em Paris, de Vincent Minnelli) e de ler (coisas assim tipo O Amor nos Tempos do Cólera, de García Márquez).

Anúncios