7 comédias francesas para assistir na Netflix

Por muito tempo, o cinema francês manteve entre os brasileiros uma aura cult. Era coisa para cinéfilos, iniciados, intelectuais. Se alguém mantém essa ideia, está desatualizado. Os franceses nunca fizeram tantos filmes comerciais como agora.

E bons. De fácil comunicação com o público, mas sem perder o senso crítico nem a preocupação em tratar de assuntos sérios, mesmo com humor.

A exemplo do preconceito racial em “Bem-Vindo a Marly-Goumont” e em “He Even Has Your Eyes”. Os dois estão nesta seleção de boas comédias produzidas na França que podem ser vistas na Netflix:

“Esperando Acordada” (2015)
Atrapalhada animadora de festas infantis provoca, sem querer, a queda de um homem, ele fica em coma. Sentindo-se culpada, resolve administrar a vida do cara até ele retomar a consciência. Isabelle Carré está ótima no papel de uma mocinha looser por vocação, neste filme da diretora estreante Marie Belhomme.

“Bem-Vindo a Marly-Goumont” (2016)
Nos anos 1970, um congolês se forma em medicina em Paris e aceita ir trabalhar numa pequena cidade do interior da França, levando sua estilosa família. O problema é que a população local nunca tinha visto um negro antes e resiste à presença do novo médico. O segundo filme do diretor Julien Rambaldi provoca risadas sem perder o teor crítico.

“Sexo, Amor e Terapia” (2014)
Imagine o que pode acontecer quando uma ninfomaníaca e um viciado em sexo (que está tentando se curar do problema) se conhecem. Ela quer partir pro vamo-ver, ele quer construir um relacionamento que não seja baseado somente em sexo. Os relacionamentos modernos numa visão inusitada da diretora Tonie Marshall.

“Marguerite” (2015)
Esta é, na verdade, uma tragicomédia. Rende risos e lágrimas. Na Paris dos anos 1920, a milionária Marguerite Dumont é apaixonada por óperas e teima em cantar para o marido e amigos, que alimentam sua fantasia de ser cantora. Mas quando ela resolve encarar uma plateia, a coisa complica. Catherine Frot (“Os Sabores do Palácio”) está fantástica no papel da protagonista.

“Até o Fundo” (2016)
Um road movie em alta velocidade. Cirurgião plástico compra carro novo ultra-tecnológico e resolve inaugurá-lo saindo de férias com a família. Só que perde o controle do automóvel e quando vê pai, mãe, filhos, um sogro chato e uma convidada de última hora rumam a 180 km por hora, em direção a um grande engarrafamento. Hilário!

“Il a Déjà Tes Yeux” (2017) — disponível na Netflix como “He Even Has Your Eyes”
O preconceito racial também ganha abordagem original nesta comédia sobre casal de franceses afrodescendentes que buscam um bebê para adoção. Quando finalmente são chamados pelo serviço social, recebem um bebê branco. Mas uma assistente social discorda da decisão é inferniza a vida dos novos pais. É o quarto filme do diretor Lucien Jean-Baptiste.

“Un Plus Une” (2015)
O veterano Claude Lelouch (“Um Homem, Uma Mulher”) dirige esta comédia romãntica sobre compositor francês que vai á Índia para criar a trilha de uma versão de “Romeu e Julieta” em Bollywood. Lá, conhece a mulher do embaixador francês, apaixona-se por ela e é correspondido. Com Jean Dujardin (“O Lobo de Wall Street”) e Elsa Zylberstein (“Gemma Bovery – A Vida Imita a Arte”).

Leia também:
8 suspenses espanhóis para ver na Netflix
10 filmes coreanos para assistir na Netflix
6 filmes de diretores cult escondidos na Netflix
17 filmes turcos para assistir na Netflix

Anúncios