As promessas do cinema nacional para 2018

Nas bilheterias, o cinema nacional ainda se mantém à sombra das produções importadas na maior parte do tempo — as exceções são as comédias, a exemplo de “Os Parças”, atualmente em cartaz. Mesmo assim, a produção brasileira vai bem.

Isso se pode perceber na lista de filmes anunciados para 2018. Não faltarão bons títulos nacionais nos cinemas ao longo do próximo ano. O cardápio diversificado vai do mais comercial a novas propostas e filmes de veteranos como Cacá Diegues e Sérgio Rezende.

Aqui segue uma lista de 10 filmes que prometem:


Além desses, 2018 terá nas telas uma produção que deve arrebanhar (e não há palavra mais adequada) um grande público: “Nada a Perder – Parte 1”, a biografia do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal.

Quem dirige é Alexandre Avancini, não por acaso um dos principais diretores da TV Record, da qual o bispo é proprietário. Mesmo assim, Avancini já garantiu em entrevistas que vai contar “tudo”. É esperar pra ver (ou não ver).

Nada a Perder
Petrônio Gontijo interpreta Edir Macedo no cinema

No entanto, as comédias deverão continuar dominando. Cauã Raymond se junta a Tatá Werneck em “Quase Dupla”, dirigidos por Marcus Baldini (“Bruna Surfistinha”). O filme estreia em julho.

Também têm potencial para ganhar o interesse do grande público três comédias estreladas por Leandro Hassum: “Chorar de Rir (5/4), de Toniko Melo, “Amor Dá Trabalho” (15/3), de Ale McHaddo, e “O Candidato Honesto 2” (2/8), de Roberto Santucci.

Santucci aliás, que já arrebentou nas bilheterias com “De Pernas pro Ar” e “Até que a Sorte nos Separe”, aparecerá com outro filme. Comédia, é claro. “Os Forafeiros”, com Cacau Protásio e Danielle Winits. Estreia em 1/2.

Mas 2018 ainda trará novos trabalhos de diretores veteranos. Sérgio Resende (“Zuzu Angel”) retorna com “O Paciente”, sobre os últimos dias de vida do político Tancredo Neves.

Mauro Lima (“Meu Nome Não é Johnny”) também buscou um personagem real para seu próximo filme, “Mariel – O Homem de Ouro” (também prometido para junho): o policial Mariel Mariscot, envolvido em crimes no Rio dos anos 1960.

E Andrucha Waddington volta a reunir Fernanda Montenegro, Fernanda Torres (que fizeram com ele “Casa de Areia”) em “O Juízo”, um terror sobrenatural com uma história de vingança que remonta ao tempo da escravidão.

Anúncios