Italianos produzem no DF o autêntico limoncello

Há quem acredite que limoncello, só o italiano. Mas o empresário Marco Romboloni está disposto a derrubar essa crença. E vem trabalhando nisso há dois anos, quando começou a produzir o Limoncello do Paraíso, em sua casa, em Alto Paraiso (GO).

Os insumos são todos daqui mesmo do Centro-Oeste, mas a receita segue o método artesanal praticado na Itália, onde a bebida é uma tradição. Marco a aprendeu com o pai e trouxe consigo quando chegou ao Brasil, há 12 anos.

Quando veio para cá, o italiano passeou por diversos lugares, incluindo Rio de Janeiro e Salvador, mas acabou escolhendo o interior goiano para se fixar. Em Alto Paraíso, construiu uma casa, que batizou de Casa Sublime.

Casa Sublime
A Casa Sublime, em Alto Paraíso, hoje uma pousada

Ali costumava receber amigos para reuniões em que preparava pratos típicos da sua região, a Emilia Romagna, servidos na companhia de bom vinho, claro. Numa dessas, um dos convidados levou um limoncello importado.

Marco gostou, mas garantiu que era capaz de produzir um licor muito melhor. E provou o que disse. Deu início à produção artesanal da bebida e não tinha quem não quisesse uma garrafa.

Isso foi há dois anos, e desde então a produção de limoncello tomou uma proporção que motivou Marco Rombolini a vender a Casa Subime — que de tão ampla e bonita hoje é uma pousada –, arranjar dois sócios e mudar a produção para o Plano Piloto, há sete meses.

Marco Rombolini e cia
Marco Rombolini, Simona Forcisi e Michel Casalino

A ele se juntaram os italianos residentes em Brasília Michel Casalino, ex-sócio do Il Basílico da Quituarte, e Simona Forcisi. Agora, o trio se empenha em mostrar que o Limoncello do Paraíso não fica nada a dever aos que vêm da Itália (o que é verdade).

“Nosso método é artesanal. Os limões são escolhidos um a um, todo o processo segue rigorosamente a fórmula original do sul da Itália”, diz Marco, que produz a bebida em parceria com Michel e mais dois empregados numa loja comercial da Asa Norte.

Simone é encarregada da divulgação do produto, levando-o a feiras e eventos gastronômicos da cidade. Faz parte de sua missão tornar conhecida a versatilidade do limoncello, que não precisa ser consumido apenas como aperitivo.

Limoncello do Paraíso

Afinal, o licor pode ser usado como ingrediente de uma infinidade de coquetéis. São exemplos o Limoncello Spritz, em que o Aperol é substituído pela bebida italiana, e o Coco Spritz (limoncello, água de cco, gelo e uma fatia de limão siciliano).

Todos super-refrescantes. “O frescor cítrico do limoncello tem muito a ver com o clima tropical brasileiro”, observa Marco Rombolini, que produziu uma primeira leva de 700 garrafas.

Produz também, numa tiragem limitada, um saborosíssimo crema limoncello, versão cremosa do licor, que lembra um Bailey’s, só que de limão. Ambos os produtos, por enquanto, só está sendo vendido a adegas, mercadinhos, bares e restaurantes.

Limoncello do Paraíso2

Anúncios