5 livros pequenos, com grandes histórias

Reprodução

Encarar um livro volumoso algumas vezes pode ser pouco estimulante, mas isso não é pretexto para simplesmente não ler. A boa literatura se manifesta também em pequenos livros. Estes cinco são bons exemplos.

O francês Olivier Bourdeaut, os americanos Ken Haruf e Ben Lerner, o britânico Ewan McEwan e o japonês Haruki Murakami assinam obras primorosas que podem ser lidas de um fôlego só — o mais volumoso tem 224 páginas. Experimente.

Esperando BojanglesEsperando Bojangles
(De Olivier Bourdeaut, Autêntica, 128 págs., R$ 34,90)
O primeiro romance de Bourdeaut prende o leitor da primeira à última página com a narrativa sobre uma família singular. A mãe tem fortes tendências à loucura; o pai, apaixonado, dá corda a todas as fantasias da mulher; o filho vai formando sua visão do mundo a partir desse excêntrico cotidiano, e é ele o narrador. Terno e emocionante sem ser piegas. O título é referência à música “Mr. Bojangles”, de Nina Simone. Tradução de Rosa Freire D’Aguiar.

“Tenho uma relação particular com o fracasso. Comecei minha carreira de perdedor muito cedo. Durante 35 anos bastava eu fixar um objetivo para não atingi-lo” (Olivier Bourdeaut, a O Globo)

Nossas NoitesNossas Noites
(De Kent Haruf, Companhia das Letras, 160 págs., R$ 39,90)
O amor na terceira idade ganha abordagem bastante original neste romance.  Addie Moore um dia procura seu vizinho Louis Waters, viúvo, solitário e septuagenário como ela, e sugere que passem a dormir juntos, apenas para conversarem antes do sono. Vizinhos e filhos, no entanto, não vêm o plano com tanta naturalidade. O texto de Haruf se alterna poeticamente entre momentos ensolarados e melancólicos. Tradução de Sonia Moreira.

Ken Haruf escreveu “Nossas Noites” (no original “Our Souls at Night” ou “Nossas Almas à Noite”) pouco antes de morrer, em 2014, aos 71 anos, e isso faz toda diferença na preciosidade que é esta obra.

Estação AtochaEstação Atocha
(De Ben Lerner, Rádio Londres, 224 págs., R$ 35,50)
A primeira obra em ficção do poeta americano Ben Lerner tem a cidade de Madri praticamente como uma personagem. Contada com apurado senso de humor e cheia de elocubrações existenciais, a história do bolsista americano Adam Gordon na capital espanhola tem muito de autobiográfico. Viciado em café e haxixe, introspectivo e com dificuldade para socializar, Adam, ao mesmo tempo em que desvenda a cidade, descobre seus próprios limites. Tradução de Gianluca Giurlando.

“O livro é muito sobre a natureza e a neurose de um americano fora dos EUA, especialmente na era Bush, a qual, infelizmente, ainda é a era em que vivemos” (Ben Lerner, a O Globo).

EnclausuradoEnclausurado
(De Ian McEwan, Companhia das Letras, 200 págs., R$ 39,90)
Um dos mais cultuados autores britânicos da atualidade, McEwan cria uma trama instigante neste livrinho curto, cuja história tem como narrador um feto. O protagonista acompanha e conta ao leitor os planos para assassinar o seu pai, tramados pela mãe que o carrega no ventre e o amante dela, ninguém menos que o tio paterno do bebê que está por nascer. A ironia se sobrepõe à violência num romance que reflete sobre a maldade humana. Tradução de Jorio Dauster.

“É pura ficção, não saí da minha escrivaninha. Não precisava deixá-la para ir descobrir em algum livro que um feto não pensa e não fala (ri)” (Ewan McEwan, à Folha)

SonoSono
(De Haruki Murakami, Alfaguara, 120 págs., R$ 34,90) 
Ótima chance de se iniciar na obra do cultuado autor japonês de “Caçando Carneiros”, “1Q84” e “Kafka à Beira-Mar”. Neste conto longo, Murakami dá amostra de sua capacidade de criar histórias originalíssimas. É sobre uma dona de casa que leva uma vida supernormal ao lado do marido e do filho, mas começa a ver as coisas de outra perpspetctiva quando é tomada por estranha insônia crônica. Nas noites sem dormir, descobre uma forma mais prazerosa de viver. Tradução de Lica Hashimoto.

“Eu me sentia simplesmente assustada. Assustada por não conseguir discernir o ontem do anteontem. Assustada pelo fato de eu pertencer a essa vida e ter sido tragada por ela” (trecho)

Anúncios