Selton Mello: “A beleza salvará o mundo”

Rodrigo Marques/Revista da Cultura

No próximo dia 3 de agosto estreia “O Filme da Minha Vida”, o terceiro de Selton Mello na direção. Além de “Feliz Natal” e “O Palhaço”, ele dirigiu três temporadas da série “Sessão de Terapia” (2012 a 2014), na HBO.

“O Filme da Minha Vida”, apesar do título, não tem nada de biográfico. É baseado no livro “Um Pai de Cinema”, do chileno Antonio Skármeta. “É tão autoral como ‘O Palhaço’ ou ‘Feliz Natal’ e quanto o ‘Sessão de Terapia'”, disse Selton à Revista da Cultura.

“Me sinto meio velho; não sei se você se liga nisso de signos, mas sou capricorniano e dizem que capricorniano nasce velho e morre jovem” (Selton Mello)

A entrevista com o ator e diretor faz parte da edição mais recente da publicação. O conteúdo da revista, distribuída gratuitamente pela rede de livrarias Cultura, também está disponível on-line.

Na conversa, Selton Mello fala não só sobre o novo filme, mas também de sua dificuldade de se adequar ao convívio social e a este “mundo bem louco”, de amadurecimento, redes sociais e sobre o sentido de fazer cinema:

“É uma forma de celebrar o lado bendito da vida, sabe? Poder ser uma espécie de alento, o público entrar no cinema e, mesmo com tudo pifando lá fora, ter alguns momentos de bons sentimentos e poder, talvez, se melhorar. Isso é nobre, é bonito de fazer. Por isso que a beleza salvará o mundo”

Leia: O lado bendito da vida

Anúncios