“Fazer teatro é como fazer sexo com cada um dos atores. É sempre uma libido (…), energias que você não programa e que são liberadas” (Gabriel Villela, dramaturgo, ao Estadão)

Anúncios